6 ª CDQ CON: Uma feira inesquecível

Por: Carol Cunha 15 de março, 2024

A 6ª CDQ CON: Feira da Casa dos Quadrinhos foi, sem dúvidas, um evento inesquecível. Este ano, a feira foi 100% forma presencial. Isso, portanto, proporcionou aos participantes uma experiência vibrante e com bastante imersão.

Antes de tudo, a CDQ CON é um evento gratuito e sem fins lucrativos que visa dar visibilidade ao trabalho de artistas independentes do quadrinho mineiro. E, igualmente, fomentar a cadeia produtiva das HQs. A feira é uma realização da Casa dos Quadrinhos, viabilizada pelo Edital de Incentivo à Cultura de BH. Isso demonstra que, sem dúvidas, a população reconhece a importância dos editais que visam incentivar a cultura.

O evento aconteceu no Anexo da Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais, na Praça da Liberdade. Tivemos entrevistas, painéis e oficinas envolvendo quadrinistas atuantes tanto no mercado mineiro quanto internacional. Desse modo, a CDQ CON se estabeleceu como um dos principais pontos de encontro para fãs e profissionais do mundo dos quadrinhos em Belo Horizonte.

Quadrinhos Sonoros

Em 2024, a CDQ CON prestou uma homenagem especial à música mineira, reconhecendo sua influência e importância na cultura brasileira. De Ary Barroso a Djonga, passando por ícones do pop rock como Tianástácia, a música de Minas Gerais tem sido uma fonte inesgotável de inspiração e criatividade. Essa riqueza musical foi celebrada através de uma coletânea: “Quadrinhos Sonoros”. Este é um livro que reinterpreta clássicos da música mineira em arte sequencial.

Vinte quadrinistas foram convidados a escolher uma música de bandas, compositores e intérpretes mineiros e transformá-la em uma história em quadrinhos. O resultado é uma coletânea imperdível que mostra a riqueza e a diversidade da produção musical de Minas Gerais.

A Exposição

Além disso, tanto as artes que criaram para o projeto, quanto os processos de criação, fazem parte de uma exposição cuja inauguração aconteceu durante a feira. Isso proporcionou aos visitantes uma visão única do trabalho por trás das páginas.

Essa exposição continua ocorrendo nos espaços expositivos e galerias da Biblioteca Pública Estadual. Ela terá a duração de dois meses, garantindo, portanto, que aqueles que não puderem comparecer à feira ainda possam apreciar essa fusão única de música e quadrinhos.

Abraço do Tamanduá

O evento também destacou o Abraço do Tamanduá, uma iniciativa que permite que artistas apresentem seus projetos a uma banca de editores e profissionais da área. Essa oportunidade de networking e colaboração é essencial, sem dúvidas, para o desenvolvimento da indústria de quadrinhos. Ela permite, portanto, que novos talentos sejam descobertos e promovidos. A banca foi composta por Gustavo Abreu (Moby Dick), Mariana Viana (Fora do Plástico), Gabriel Nascimento (FIQ), Leonardo Gomes (IndieVisivelPress) Luís Felipe Garrocho (Puc Minas). A vencedora desta edição foi Isadora Nicollielo, aluna do curso técnico da Casa dos Quadrinhos, com o projeto “João e a Barata”.

Corredor dos Artistas

O Corredor dos Artistas, uma das áreas mais movimentadas da feira, contou com a presença de mais de 70 artistas atuantes tanto no mercado brasileiro quanto internacional. Os visitantes tiveram a oportunidade de conhecer e comprar diretamente dos próprios autores. Dando, portanto, apoio para a produção local e valorizando o trabalho desses talentosos artistas. Esta foi uma oportunidade única para os fãs de quadrinhos se conectarem com seus artistas favoritos e descobrirem novos talentos.

Palco Principal

O palco principal também apresentou uma série de eventos imperdíveis, incluindo o lançamento do livro “Quadrinhos Sonoros” e sessões de autógrafos com os artistas participantes. Além disso, a CDQ CON ofereceu uma ampla variedade de atividades, incluindo mesas de debate, oficinas, palestras e exposições.

Os debates e mesas proporcionaram um espaço dinâmico e enriquecedor para explorar uma variedade de tópicos relevantes para o mundo dos quadrinhos. Na sexta-feira, a programação iniciou com a cerimônia de abertura da Feira da Casa, com Afonso Andrade, Cris Seixas, Fabrício Martins, Regis Luiz e Nami Vianna. Logo após, o painel “Coisa de Mulher” trouxe à tona discussões cruciais sobre representatividade feminina no universo das HQs e cultura pop. Contou com participações de Jay, Nami Vianna, Carol Neves e Kátia Schittine, destacando a importância da diversidade de vozes no meio.

No sábado, os debates continuaram abrangentes e pertinentes. Desde reflexões sobre o papel da inteligência artificial no mercado de quadrinhos, com Cris Seixas e Acir Piragibe, até explorações sobre o fenômeno das web comics, moderadas por Carol Cunha. E que teve participações de Alec Cunha, Leon Kowalski e Iara Naika. A programação ofereceu uma visão panorâmica das tendências e desafios enfrentados pelos criadores e consumidores de quadrinhos contemporâneos.

No domingo, a mesa “Formação em quadrinhos” trouxe insights valiosos sobre a educação e o desenvolvimento profissional no campo dos quadrinhos. Ela contou com a participação de Erick Azevedo, Rebeca Prado, Daniel Werneck e Sunça. Mais tarde, a exibição de jogos digitais foi acompanhada por um bate-papo sobre o processo criativo por trás dessas produções, com Luís Felipe Garrocho, Daniel Pinheiro Lima, Keiko Kawati e Thiago Zaidan.

Oficinas

As oficinas, por sua vez, foram conduzidas por professores e convidados da Casa dos Quadrinhos. Todos com sólida experiência no mercado, abordando técnicas de arte finalização, esboço mangá, desenho para crianças e muito mais.

Primeiramente, na sexta-feira, os participantes tiveram a oportunidade de aprimorar suas habilidades de esboço com Gilson Ribeiro na oficina “Andar & Ver”. Enquanto o professor Valdo Alves conduziu uma sessão sobre “Mangá para todas as idades”, explorando os diferentes aspectos deste estilo de desenho.

No sábado, Dan Bretas compartilhou seu talento e técnica na oficina “Acertando no Improviso: Como Desenhar Direto na Caneta”, desafiando os participantes a explorarem sua criatividade sem rascunhos prévios.

À tarde, a professora Patrícia Garcia guiou uma empolgante atividade na oficina “Enfrentando monstros e criando histórias em quadrinhos”, voltada para o público infantil.

 No domingo, o evento encerrou com uma experiência espetacular de desenho com modelo vivo, com os modelos Júlia Letícia e Giovanni, usando cosplays. O que proporcionou aos participantes uma oportunidade única de capturar a forma humana em suas obras.

Foi, portanto, uma oportunidade excepcional para as pessoas conhecerem a qualidade das aulas e dos nossos professores da Casa dos Quadrinhos.

Outras atividades

Além das atividades centradas em quadrinhos e música, a CDQ CON também ofereceu uma variedade de oportunidades de entretenimento geek. O que incluiu mesas de jogos de tabuleiro, demonstrações de impressoras 3D e um concurso de cosplay com premiação em dinheiro. Essas atividades adicionais complementaram a experiência da feira, tornando-a ainda mais diversificada e inclusiva.

Conclusão

Em suma, a 6ª CDQ CON foi uma celebração da cultura mineira, da música e dos quadrinhos, reunindo artistas, fãs e entusiastas em um evento único. Com uma programação rica e repleta de atividades interessantes, a feira, sem dúvidas, ofereceu uma experiência fenomenal para todos os seus visitantes.